Ácido Cinza

Games, filmes, séries, cultura pop e redundância.

Arquivos da Categoria: Uncategorized

Ia fazer um ano que eu não atualizava o blog…

Ia.

HA HA

Novos Mares

Sempre aprendemos na escola, ouvimos nossos pais ou lemos por aí que a leitura é um hábito importante e que devemos deixar de lado um pouco a TV e buscar um pouco de cultura nas páginas dos livros. Eu concordo com isso e apesar de um pouco piegas, aquelas frases como “Leitura exercita a imaginação” ou “a leitura nos transporta para outros mundos” é um pouco verdade

Muito se discute sobre o que deve ser lido hoje em dia, será que ler a chatíssima saga Crepúsculo, ou os romances açucarados da Danielle Steel, Sidney Sheldon são realmente interessantes para exercitar a imaginação e levar um pouco de cultura para todos? Eu tenho minhas dúvidas quanto a isso, mas, apesar de não ser fã da maioria dos Best Sellers dos dias de hoje, eu ainda acho que ainda é melhor do que sentarmos na frente da TV pra assistir BBB, novelas ou quaisquer programas da RedeTV e SBT (não, não adianta falar do Chaves, pode até ser legal, mas ninguém mais aguenta assistir aquele pessoal causando altas confusões em Acapulco, todos falam, mas ninguém mais assiste).

Acredito que a grande maioria das pessoas gostaram ou tem um certo interesse nas histórias do Indiana Jones, já ouviram falar ou já assistiram os programas e as viagens de Jacques Custeau pelos mares e com certeza já pelo menos ouviram falar do Capitão Nemo e seu submarino Nautilus no livro Vinte Mil Léguas Submarinas do Julio Verne. Tempos atrás descobri um autor pouco conhecido aqui no Brasil que consegue reunir nos seus livros um pouco dos elementos de cada um dos citados acima, seu nome é Clive Cussler e ele possui atualmente mais de 20 livros escritos nas mais diferentes linguas.

 

Saiba mais

Resenha: ROBOT JOX (1990)

ROBOT JOX (1990)

Direção: Stuart Gordon
Elenco: Gary Graham, Anne-Marie Johnson, Paul Koslo

Resenha completa

Garimpar é preciso… pt.1

Dias atrás estive em uma festa na casa de uma das amigas de trabalho da minha esposa, sabe aquele tipo de festa onde só as mulheres se conhecem e formam aquela panelinha em uma das mesas pra conversarem do trabalho e fofocarem sobre a roupa brega da nova secretária, o silicone exagerado da amiga que não apareceu na festa ou como o novo gerente de departamento é um “ridículo e cavalo” (palavras delas)?

Os homens, em contrapartida, mal se conhecem ou nunca se viram e a conversa não pode ser mais entediante… fala-se de futebol, trabalho e carros. Impressionante como todos entendem de todos os carros e seus sistemas de freios, arrefecimento, potência do motor em todas as unidades (CV, HP, N, kgf…), aros das rodas, etc, mas no fundo todos dirigem Palio, Gol, Celta, todos equipados com motor  1.0 e financiados em 60x pelo banco Panamericano.

Toda essa falsidade e falta de interesse entre as pessoas só pode ser aliviada por alguma distração ou algo que os façam falar menos e aí que o maior problema acontece: Alguém arruma um radinho portátil e junto com ele aquele bendito case de CDs. Só de olhar pra seleção de CDs nesses cases já me da arrepios. Eu aposto com qualquer ser humano na Terra 1 ano do meu salário que vou encontrar mais ou menos os seguintes ítens lá dentro:

Saiba mais

Obsolescência Programada

Boa noite, meu nome é Luiz Gustavo, essa é meu primeiro encontro aqui no Ácido Cinza e eu gostaria de dizer a todos que estou muito feliz de estar aqui ajudando o compadre Shin, compartilhando este meu testemunho dizendo a todos que estou há 32 dias sem impressora.
Não, não sou um impressor (ou seria imprimidor?) compulsivo e muito menos tenho qualquer desejo latente de destruição da máquina como muito bem representado no filme “Como Enlouquecer Seu Chefe”(Office Space), aliás, muito pelo contrário, apesar da minha ex-impressora (atual peso de papel) ter alguns anos de vida, eu sempre cuidei muito bem dela; mantendo-a sempre coberta, limpando a poeira antes das impressões, fazendo limpeza dos bicos de impressão,etc, além disso, nunca troquei nenhum dos cartuchos, tanto o colorido quando o preto, são os mesmos que vieram na compra da impressora, ou seja, o fato dela ter sido tão bem cuidada e tão pouco aproveitada é o que me deixou irritado e um pouco desconfiado.
Enfim, após ter ganho esse magnífico peso de papel HP (agora poderia ser a abreviatura de Heavy Peeble), comecei a garimpar na internet sobre o motivo que leva os produtos de hoje em dia a durarem tão pouco. Entre os interessantíssimos artigos sobre estupro na TV, gente viajando pro Canadá e fotos de animais mortos ou fazendo churrasco em lajes nas redes sociais eu me deparei com um termo relativamente antigo porém, pouco conhecido: “Obsolescência Programada”.

Explicação do termo "obsoleto" segundo as empresas

Saiba mais

O pior filme do mundo

Muitas vezes viro e pergunto pra qualquer alma incauta que esteja conversando comigo qual o pior filme que já viram na vida. Uns metem longe algumas pérolas do Cine Trash. Outros do gênero “Não quero papo com mídia corporativista burguesa” que acham que o cinema tem que ser edificante a condição humana com termos pescados do dicionário falam qualquer coisa do Michael Bay, ou qualquer blockbuster pipocão que tenha por aí. No máximo rola um “The Room”, de Tommy Wiseau.

Escolhas risíveis quando há o clássico da ruindade “Manos” The Hands of Fate.

O Mestre não aprova pessoas que não leem o artigo inteiro.

Adeus, Shingo Araki

Shingo Araki faleceu hoje no Japão. Maiores detalhes não foram dados, mas veículos franceses (com quem o artista mantinha um vínculo especial) que não teriam motivo para fazer um repeteco das 100 mortes de Akira Toriyama todos o noticiam.

Araki tinha mais de 70 anos e uma longa carreira que além dos óbvios animes incluam character designing para jogos japoneses que estavam embrenhando na era das cenas animadas como o PC-Engine CD, realizando o design do jogo “Burai” e suas sequências e ports, e trabalhando também em produções americanas co-produzidas com o Japão como o filme de G.I. Joe.

Para o Brasil é o óbvio: uma geração inteira foi cativada pelo traço harmonioso e elegante do artista que foram a força guia dos designs de Cavaleiros do Zodíaco. Uma grande perda para o mundo da animação. Ficam os agradecimentos e os sentimentos para a família de um artista talentosíssimo.

Depois da tempestade vem a bonanza, bonança, dane-se

Pois é miogs, o ditado é VERDADEIRO. Depois que terminei The Revenge of Torgo uma coisa embicou na outra e ficou fora de mão mandar um “olá, estou vivo” que seja da vida pro Ácido. Na verdade eu fico meio que pensando o que fazer do blog já que é foda você ter jogo de cintura em tentar sobreviver + analisar jogos se for o caso + fazer os seus próprios, já que Revenge of Torgo não é a única coisa em que venho trabalhando.

Mas mais hora menos hora vocês vão ver mais palavrões expletivos redundantes ofensivos sobre coisas de cultura nerdyka aqui, disso vocês não precisam ter a menor dúvida. De repente com mais vídeos, sei lá. Estamos pensando. E como sou uma única pessoa, isso caracteriza síndrome de Venom.

Então como diria Joe Quesada, pioneiro na arte da TROLLAGEM JEITO MOLLEKE:

Keep reading.

“MANOS” The Revenge of Torgo LANÇADO!

Screens + Download: aqui